A Pesquisa CNT de Rodovias 2014, classificou a sinalização de 57,4% dos trechos como regular, ruim ou péssima, ou seja em estado que pode comprometer a segurança dos usuários. O estudo considerou 98.475 km de vias federais e estaduais. Assim, as rodovias consideradas inadequadas em relação à sinalização correspondem a 56.532 km. A classificação foi boa ou ótima para 42,6% da extensão analisada. Na avaliação, os técnicos consideraram sinalização horizontal, vertical e dispositivos auxiliares, como defensas.

faixas

A pintura da faixa central, por exemplo, está em bom estado 52,4% do total. Em 40,8% está desgastada e em 6,8% não há demarcação na pista. A situação das faixas laterais é mais preocupante: a pintura está em bom estado em menos da metade da extensão analisada, 44,2%. Em 39,9% a demarcação está desgastada e em 15,9% é inexistente.

A presença de placas de limite de velocidade é observada em 73,6% das rodovias. No restante, 26,4%, não há a indicação para os motoristas. As placas de indicação ? que identificam as vias e os locais de interesse, além de orientar motoristas quanto a percursos e acessos ? estão presentes em 82,9% dos trechos e ausentes em 17,1%. Já as de interseção ? que indicam cruzamentos ou união de duas ou mais vias ? estão presentes em 57,4% das rodovias, mas não foram identificadas em 42,6% dos casos.

Já sobre a visibilidade e a legibilidade das placas, os números são positivos: em 82,3% não há mato encobrindo a informação das placas e 88% estão totalmente legíveis.

FONTE: CNT

Privacy Preference Center