BLOG

19.12.2019 | Notícias

Nova Área de Escape da BR-376 já salvou 39 vidas

Com menos de um mês da sua inauguração, a nova Área de Escape, no km 667,3 da BR-376, em Guaratuba-PR,  liberada no dia 14 de novembro, já mostrou a sua importância: “Seis acidentes foram evitados e 39 vidas foram poupadas”, comenta” José Acácio Delmonego Junior, Gerente de Operações da Arteris, na Região Sul. Ele se refere à utilização do novo trecho de segurança por um automóvel, três caminhões e um ônibus com 35  passageiros a bordo em situação de emergência, mesmo antes da área ser aberta oficialmente.

A nova Área de Escape, construída pela Arteris Litoral Sul – uma das maiores companhias do setor de concessões de rodovias do Brasil – apresenta avanços no projeto da obra similar implantada pela concessionária em 2011 também na BR-376, Km 671 e que que já salvou 234 vidas. ”Estamos avaliando um outro trecho na Serra do Mar para a implantação de mais uma Área de Escape” acrescenta. Segundo ele, a tomada de decisão se baseia em dados estatísticos.

Testes de homologação

Para a homologação da área foram realizados uma série de testes com simulação da entrada de dois caminhões cedidos pela Volvo: uma carreta de seis eixos com carga de 48 toneladas e um caminhão de três eixos com 23 toneladas, em diferentes velocidades. Os testes foram realizados nos dias 11 e 12 de dezembro por pilotos profissionais e acompanhados por engenheiros do Departamento de Engenharia de Transportes da Universidade de São Paulo.  ”Os testes são mais um exercício na busca contínua pela qualidade e segurança. Com a certificação, podemos atestar em documentos o que já comprovamos na prática”, conclui.

A seguir, resumo da entrevista com José Acácio Delmonego Junior, Gerente de Operações da Arteris, na Região Sul:

 

PVST News:  Área de escape é uma iniciativa bastante eficiente e presente nas estradas europeias, mas pouco comum no Brasil. Por quê?

José Acácio Delmonego Junior: No Brasil existem alguns projetos de Áreas de Escape construídas há alguns anos, porém, com as novas Concessões de Rodovias, a partir de 2008, esse dispositivo está sendo ampliado e implantado em rodovias com serras acentuadas.

 

PVST News: Qual o investimento e a complexidade de uma obra na Serra do Mar?

José Acácio: A obra teve um custo de R$ 20 MI, um longo processo de licenciamento ambiental e um grande projeto geotécnico. Houve a necessidade de cortes em seção para podermos encaixar a faixa exclusiva destinada à entrada na área de escape.

 

PVST News: Quais foram os resultados dos testes?

José Acácio: Estamos aguardando a entrega dos relatórios pela USP, porém sabemos que os testes foram além de nossas expectativas. Conseguimos aumentar a velocidade de entrada na Área de Escape em comparação com a homologação da Área de Escape do Km 671. Estamos muito satisfeitos pois tivemos um conjunto (Veículo + carreta) que se comportaram muito bem  em todas vezes que foram submetidos aos esforços necessários.

 

PVST News: Qual a importância do envolvimento dos Engenheiros da Engenharia de Transporte da Universidade de SP?

José Acácio: A USP traz todo seu know-how em excelência de estudos relacionados a Engenharia Mecânica e de Movimentos. Com larga experiência, apoia a Concessionária na tomada de decisões desde a concepção dos projetos até a entrega definitiva da Área de Escape, com o acompanhamento dos testes de uso com carga máxima e diferentes velocidades.

 

PVST News: Existem planos de viabilizar mais obras deste gênero?

José Acácio: Sim, o Governo Federal por meio da ANTT e do Ministério da Infraestrutura estudam a aplicação deste projeto em outras rodovias com as mesmas características de serra da BR 376.

 

PVST News: Como testemunhas da violência do trânsito no País, na sua opinião, qual o maior desafio para reduzir o número de acidentes e vítimas nas rodovias brasileiras?

José Acácio: Acreditamos que deverá haver uma priorização e planejamento de estratégias no âmbito do governo federal para  a segurança viária. Acredito em Políticas Públicas de Governo com foco em Engenharia, Esforço Legal e em seus Condutores.

 

PVST News: Recentemente a Volvo, por meio do PVST lançou o aplicativo Eu Rodo Seguro para alertar os usuários das estradas federais sobre os trechos com maiores índices de acidentes. Qual a importância dessas iniciativas ?

José Acácio: Iniciativas como a do Programa Volvo de Segurança no Trânsito auxiliam os condutores das estradas brasileiras a praticar a direção segura e alertar sobre pontos críticos. É uma ferramenta de gestão importantíssima na redução de acidentes e mortes. É um exemplo de pensar na sociedade e cumprir seu papel como parte do trânsito.

 

José Acacio Delmonego Jr

José Acácio Delmonego Junior, Gerente de Operações da Arteris, na Região Sul

 

Teste área de escape 4

Teste área de escape 5

teste pista de escape 2

teste pista escape 1

 

Prioridade e ações integradas estão na agenda das cidades que já atingiram a meta de redução de mortes no trânsito

Prioridade aliada a ações integrada entre prefeituras, estado e governo em gestão de políticas públicas, fazem parte do plano de trabalho das cidades brasileiras que já atingiram a meta de redução de 50% das mortes no trânsito, estabelecida pela ONU – Organização das Nações Unidas. O pacto faz parte da Década de Ação pela Segurança no Trânsito 2011-2020, na qual governos de todo o mundo se comprometeram a tomar novas medidas para prevenir os acidentes no trânsito, a nona causa de mortes em todo o mundo.

Às vésperas de 2020, data limite para atingimento da meta, um levantamento divulgado pela Folha de São Paulo, mostrou que em 2018, seis cidades brasileiras, se adiantaram ao objetivo: Rio Branco, Salvador, Belo Horizonte, Aracaju, Curitiba e Porto Alegre. As cidades de Distrito Federal, Recife, Fortaleza, São Paulo, Belém e Campo Grande também tiveram redução no número de mortes e devem alcançar a meta até o próximo ano. Os dados percentuais levam em consideração o índice de mortes para cada 100 mil habitantes.

Rio Branco, entre as capitais com trânsito mais seguro

Um grande exemplo desta mobilização vem de Rio Branco, capital do Acre, que reduziu em 64% o número de vítimas fatais do seu trânsito. Em 2011 a cidade registrou 18 mortes no trânsito para cada 100 mil habitantes. Em 2018 o índice passou para 6.5, colocando Rio Branco como a quarta capital com trânsito mais seguro no país.

O aumento da fiscalização com uso de bafômetros foi uma das principais ferramentas da mudança. “O rigor da fiscalização deve ser perene”, avalia o professor Creso Machado Lopes, do Centro de Ciência da Saúde da Universidade Federal do Acre. “Fazer campanhas educativas e pesquisas é importante, mas sem fiscalização, a situação não melhora”, complementa.

Salvador, comparação com a Dinamarca

A capital com a segunda melhor avaliação foi Salvador. Em 2018 o trânsito na capital baiana foi 55% menos letal que em 2011. Na verdade, desde 2016, Salvador tem a menor taxa de mortes por 100 mil habitantes no trânsito no Brasil e a redução foi conseguida mesmo com aumento em 31% da frota no período. Posição que, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), equivale à Dinamarca, um dos países modelo mundial em trânsito. Entre as ações que estão fazendo a diferença no trânsito em Salvador, estão a redução de velocidades máximas em grandes avenidas e a criação de áreas calmas, perímetro onde nenhuma via tem velocidade acima de 30km/h ou 40km/h. Para Fabrizzio Muller, superintendente da Transalvador, a conquista é fruto de um trabalho conjunto desenvolvido por toda gestão municipal, que passa desde a intensificação da fiscalização até o investimento em novos projetos viários.

Curitiba, aposta nas futuras gerações de motoristas

Curitiba, uma das capitais que também se antecipou à meta mundial da ONU, tem focado seu trabalho em campanhas de conscientização aliadas à fiscalização. “O Maio Amarelo é um grande aliado na conscientização para novos comportamentos e atitudes no trânsito. Vamos ampliar sua mobilização para o ano inteiro”, esclarece Marinho Guimarães, Diretor da Escola Pública de Trânsito do Detran. “Vamos continuar também investindo em parcerias públicas privadas e preparando as novas gerações de motoristas, crianças e os adolescentes. São eles que vão mudar a cultura de trânsito em nosso país”, complementa. Belo Horizonte, Aracaju e Porto Alegre também atribuem os bons resultados ao esforço para redução de acidentes e, consequentemente, de mortes, no foco em educação e ao estabelecimento de políticas públicas conjuntas. Porém, muitas cidades, além de não reduzirem, ainda viram sua taxa de mortalidade subir. Mas a boa notícia é que a grande maioria tem consciência do grave problema e estão implementando programas de educação de trânsito, entre outras medidas de segurança, que trarão benefícios no futuro.

 

Intervenções Viárias no Jardim dos Namorados, importante via da orla soteopolitana - 2017 3

Intervenções Viárias no Jardim dos Namorados, importante via da orla soteopolitana – 2017

 

Faixas elevadas foram implantadas na Av. Afrânio Peixoto, uma das principais vias de Salvador, que auxiliaram na redução drástica nos acidentes na via

Faixas elevadas foram implantadas na Av. Afrânio Peixoto, uma das principais vias de Salvador, que auxiliaram na redução drástica nos acidentes na via

 

FABRIZZIO_MULLER_TRANSALVADOR

Fabrizzio Muller – Superintendente da Transalvador

 

Detran Pr 3

Detran – PR

 

Detran Pr 2

Detran – PR

 

Detran Pr

Detran – PR

 

A Transalvador modernizou o sistema de cobrança para estacionamento Zona Azul dando maior segurnçaa e comodidade aos condutores

A Transalvador modernizou o sistema de cobrança para estacionamento Zona Azul dando maior segurança e comodidade aos condutores

 

A Transalvador iniciou em novembro a iomprlantação do projeto Trânsito Calmo no bairro da pituba, um dos mais populosos da capital baiana

A Transalvador iniciou em novembro a implantação do projeto Trânsito Calmo no bairro da Pituba, um dos mais populosos da capital baiana

 

Trânsito é convivência, depende do comportamento coletivo

Policial rodoviário federal desde 1995, Ismael de Oliveira, 46, é graduado em Direito e especialista em Trânsito, Direito Administrativo e Gestão Pública.
Natural de Guaíra (PR), Oliveira já exerceu as funções de superintendente substituto, corregedor regional, chefe da Seção Administrativa e Financeira e chefe do Núcleo de Apoio Técnico da PRF no estado. Também presidiu o Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais no Paraná. É ainda instrutor da Academia Nacional da PRF.

“O motorista brasileiro ainda precisa ser sensibilizado quanto ao seu papel no trânsito. As mudanças de comportamento são processuais, levam tempo e não dependem apenas da legislação”.

Ismael de Oliveira
Superintendente da Polícia Rodoviária Federal (PRF) no Paraná

 

PVST News: Festas de Final de Ano e o verão se aproximando. Podemos considerar que dezembro-fevereiro é um período com tendência a ter um número maior de acidentes?

Ismael de Oliveira: Em períodos de verão e de férias escolares há não apenas um aumento na quantidade de veículos em circulação, mas também um aumento expressivo do número de pessoas viajando dentro de cada carro, de cada ônibus. São famílias inteiras se deslocando para passar as férias na praia, por exemplo. Por conta disso, as festas de fim de ano e a semana de Carnaval são períodos que precisam de uma atenção especial por parte da PRF. Nessa época, há uma intensificação na fiscalização das condutas que mais matam no trânsito, como a embriaguez ao volante, as ultrapassagens proibidas, o uso indevido do celular, a falta do cinto de segurança, entre outras.

 
PVST News: O que dizem as estatísticas se comparados os números de acidentes nos meses de dezembro a fevereiro nas rodovias federais com os demais meses do ano?

Oliveira: Somente no estado do Paraná, por exemplo, entre dezembro de 2018 e fevereiro de 2019, a PRF registrou 1.806 acidentes, 2.158 feridos e 109 mortes. No restante do ano, de março a novembro de 2019, houve 5.882 acidentes, 6.450 pessoas feridas e 369 mortes. Esses dados mostram que a média mensal entre um período e outro não varia muito.
No último período de festas até o Carnaval, registramos nas rodovias federais do estado uma média mensal de 602 acidentes, com 719 pessoas feridas e 36 mortes. No restante do ano, 653 acidentes, com 716 pessoas feridas e 41 mortes. O que podemos dizer com certeza absoluta é que a maioria desses acidentes poderia ter sido facilmente evitada, se parte das pessoas envolvidas tivessem respeitado as normas de trânsito.
Da nossa parte, a PRF tem procurado cada vez mais ampliar a fiscalização e a aplicação da lei nas rodovias federais do Paraná. Registramos em 2018 o menor número de mortes em nove anos. Pela primeira vez desde 2010, o patamar de mortes ficou abaixo de 500. Precisamos reduzir esses índices ainda mais.

 
PVST News: Comportamento e atitudes inseguras são as principais causas dos acidentes?

Oliveira: A maioria dos acidentes graves são causados pelo comportamento do motorista, seja por imprudência, imperícia ou negligência. Todos os dias, são inúmeros os flagrantes de ultrapassagens em locais proibidos, excesso de velocidade e embriaguez ao volante, por exemplo. E muitas pessoas deixam de fazer a manutenção periódica de seus veículos.

 
PVST News: O que o Sr. recomendaria a quem vai pegar a estrada para as festas de fim de ano ou praia?

Oliveira: É fundamental programar a viagem, com paradas para alimentação e descanso, em casos de deslocamentos mais longos. Se houver mais de um motorista habilitado dentro do veículo, revezar a direção a cada três ou quatro horas, pelo menos. Evitar dirigir cansado, com sono ou com pressa. Um pneu em mau estado de conservação, uma lâmpada de freio queimada, são itens que podem provocar acidentes. Uma vez na estrada, a principal recomendação é respeitar a sinalização e as normas gerais de trânsito.

 
PVST News: Como o Sr. analisa o ano de 2019 em relação a 2018, em acidentes com vítimas nas rodovias federais no Paraná e no Brasil?

Oliveira: Entre janeiro e novembro de 2018, a PRF, no Paraná, registrou 7.266 acidentes, com 7.951 pessoas feridas e 458 mortes. Em 2019, foram registrados 7.028 acidentes, com 8.231 pessoas feridas e 443 mortes. Os números estão parelhos, com uma discreta diminuição do número de acidentes e mortes.

 
PVST News: Seis capitais brasileiras atingiram a meta estabelecida pela ONU de reduzir em 50% as mortes no trânsito entre 2011 e 2020: Curitiba, Porto Alegre, Belo Horizonte, Salvador, Rio Branco e Aracaju. O que estas cidades têm em comum? Prioridade na causa?

Oliveira: No final da década de 1990, o atual Código de Trânsito municipalizou a fiscalização de trânsito, especialmente nas capitais e outras grandes cidades. Por isso, a atuação das prefeituras nessa área é algo fundamental. A PRF tem diversas ações conjuntas com as administrações municipais com o objetivo de preservar vidas. Como exemplo, teremos agora a 9ª edição da Operação Rodovida, que é justamente um esforço em comum que envolve órgãos federais, estaduais e municipais, desde meados de dezembro até o Carnaval. Outros exemplos são os esforços para garantir o serviço de iluminação pública nos perímetros urbanos de rodovias.

 
PVST News: Qual tem sido o maior desafio da PRF na segurança viária?

Oliveira: Educação! O motorista brasileiro ainda precisa ser sensibilizado quanto ao seu papel no trânsito. As mudanças de comportamento são processuais, levam tempo e não dependem apenas da legislação.

 

PVST News: Recentemente foi lançado o aplicativo Eu Rodo Seguro graças à parceria entre a Volvo e a PRF. Qual a importância de alertar os usuários sobre trechos de maior índice de acidentalidade?

Oliveira: Toda ferramenta tecnológica que traga mais tranquilidade na condução dos veículos é bem-vinda, tanto é que a PRF é uma grande parceira da Volvo, neste quesito. O motorista que programa a sua viagem, que se abastece previamente de informações sobre as condições das rodovias, tem melhores chances de garantir uma viagem segura.

 

PVST News: Na sua opinião o que falta para o Brasil deixar de ocupar o triste ranking dos países com trânsito mais violentos do mundo?

Oliveira: Mais uma vez, insisto no tema da educação para o trânsito. Seria importante uma inclusão mais efetiva desse tema no currículo escolar, já nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Se uma criança é educada desde cedo, a chance de se tornar um adulto responsável é muito maior. E o trânsito, consequentemente, pode se tornar um ambiente mais seguro.

 

PVST News: Punição ou educação? Qual o caminho?

Oliveira: Não são políticas excludentes. A educação é um pilar básico, claro. Mas, por outro lado, a fiscalização também tem o seu efeito educativo prático. É evidente que muitas pessoas passam a respeitar as normas de trânsito a partir do momento em que a percepção delas sobre o nível de fiscalização existente aumenta.

 

PVST News: O que é ter uma vida dedicada à segurança viária e continuar assistindo o drama de ver tantas vidas ceifadas no asfalto das rodovias?

Oliveira: Uma parte extremamente significativa dos acidentes, ferimentos e mortes no trânsito são ocorrências perfeitamente evitáveis. As equipes da Polícia Rodoviária Federal que atendem os acidentes percebem isso, todos os dias. Quando assistimos a eventuais flagrantes registrados por câmeras de videomonitoramento, essa certeza só aumenta.
Cada morte é uma perda irreparável para as famílias envolvidas. Ninguém inicia uma viagem cogitando não chegar ao destino ou nunca mais voltar para casa. Por trás de cada estatística de violência no trânsito, há sempre muita dor envolvida. Nossos policiais sabem disso e sentem a dor das famílias.

Nosso trabalho é justamente o de tentar reduzir esses danos. Para tanto, além do reforço das ações de fiscalização e da melhoria das condições estruturais das rodovias, é imprescindível a colaboração do conjunto da sociedade.

Ismael PRF 2 Ismael PRF

 

 

Final de Ano

Chegou o momento de celebrarmos os desafios e as conquistas de um ano que, mais uma vez, exigiu muito de tod@s nós.

Em nome do Programa Volvo de Segurança no Trânsito, quero desejar Boas Festas e um excelente período de férias a vocês, com muita segurança.

Sabemos da importância desse período do ano para estarmos mais próximos de quem amamos, nossa família, amigos e também aproveitarmos para descansar, viajar e recarregar as energias para um novo ano, que logo chegará carregado de novos planos, metas e sonhos.

Infelizmente também é nessa época que aumentam os acidentes no trânsito, em razão do maior fluxo de veículos nas estradas.

E somente nós, com a soma dos esforços de cada um, podemos fazer acontecer uma realidade diferente, traduzida somente em celebração da vida! Não um cenário de dor e sofrimento para muitas famílias.

Vamos construir juntos essa realidade?

Planeje a sua viagem com paradas para descanso, faça a prévia revisão do veículo antes de pegar a estrada, jamais use o celular enquanto estiver dirigindo ou beba alcoólicos antes de assumir o volante.

Baixe o App Eu Rodo Seguro! Ele alertará você toda vez que se aproximar de trechos perigosos durante as viagens pelas rodovias federais. Um alerta que salva vidas! É gratuito e está disponível nas lojas Play Store e App Store.

Nossa saudação especial aos motoristas profissionais, que muitas vezes passam as festas de final de ano trabalhando, longe das suas famílias. O nosso muito obrigada e o desejo de muita paz nas estradas.

Até o próximo ano, nos nossos encontros por aqui, em nossa caminhada por um trânsito melhor!

Boas festas e um feliz 2020, com muita segurança a tod@s nós!

 

 

Programa Volvo de Segurança no Trânsito (PVST)

 

Anaelse

Anaelse Oliveira – Coordenadora do PVST

 

 

Transacácia, vidas em primeiro lugar

Sr Toninho Transacacia

O turismo é um importante segmento da economia brasileira. Diariamente milhares de pessoas cruzam o país e as fronteiras a bordo de ônibus, seja rumo à uma convenção, visita a uma feira, encontros religiosos, conhecer novas praias, novos horizontes ou até mesmo uma pescaria. Os interesses e destinos são diversos, mas o fator decisivo na escolha da empresa de transporte é a que oferece conforto e segurança na viagem, afirma Antonio Maria Reinaldo, proprietário da Transacácia, transportadora  de passageiros especializada em turismo nacional e internacional, com sede em Maringá/Pr.

Desde que comprou seu primeiro veículo, Toninho, como é conhecido, deu prioridade à segurança. Ele sabe do que fala: “Trabalhei  muitos anos como motorista de caminhão e de ônibus, conheço muito bem as dificuldades e os perigos da estrada, por isso invisto muito em segurança na minha frota e em treinamento para os motoristas”.

A Transacácia, pioneira em utilização de equipamentos de segurança no transporte de pessoas, é também uma das primeiras a equipar seus ônibus  com a última versão do SSA – Sistema de Segurança Ativa- que a Volvo Bus acaba de apresentar ao mercado brasileiro.“ A Volvo atende as minhas necessidades e eu a dos meus clientes”, complementa.

Com uma frota de nove ônibus, seis deles Volvo, que rodam mais de meio milhão de quilômetros por ano nas rodovias do Brasil e Mercosul, a empresa tem como diferencial o turismo customizado, com passageiros que priorizam conforto e segurança. “ Meus clientes sabem que somos obstinados por segurança e confiam em nós, porque vida não tem preço”, ressalta .

Em 1994, o Volvo B12 importado da Suécia, com freio ABS,  marcou a história da empresa com gestão familiar. “Comprei  uma unidade do primeiro lote e desde então fui acompanhando e adquirindo todas as tecnologias da Volvo para ter uma operação com maior desempenho e segurança”, ressalta Toninho. “ Tenho a mesma visão da Volvo: vidas em primeiro lugar”, complementa. Ele lembra que segurança é também ponto vital nos resultados da empresa. “ Não é gasto, é investimento”, comenta com a experiência de quem atua há 56 anos no segmento de transporte com índice zero de acidentes graves.

Tecnologias de segurança apoiam o motorista

A Transacácia tem razão ao incorporar a visão Volvo em segurança. Ao apresentar a nova geração SSA para ônibus rodoviários, a Volvo fortalece a sua posição de vanguarda em soluções de segurança no transporte de passageiros no Brasil. “Somos pioneiros no País na introdução de equipamentos que melhoram a operação de transporte com foco em segurança”, observa Fabiano Todeschini, presidente da Volvo Bus Latin America. “ Um conjunto de tecnologias que ajuda a evitar colisões e reforça nosso compromisso em busca do ideal “Zero Acidentes” com os veículos da marca”, enfatiza. “ São  recursos que contribuem decisivamente para apoiar o motorista e melhorar a segurança na operação”, explica  Gilcarlo Prosdócimo, gerente de engenharia de vendas da Volvo Buses Latin America e elenca o conjunto de tecnologias disponíveis em todas as configurações de chassis rodoviários da marca, com motor traseiro:

Aviso de Colisão Frontal com Frenagem de Emergência, dotado de um radar e uma câmera para monitorar veículos e obstáculos à frente dos ônibus. O motorista recebe avisos sonoro e visual caso a distância esteja diminuindo, indicando sonolência ou distração, por exemplo. Caso não diminua a velocidade, o sistema faz uma pré-frenagem e até uma frenagem total de emergência, em caso de acidente iminente.

Aviso de Mudança de Faixa, tecnologia que entra em ação quando o ônibus passa sobre as faixas da pista à esquerda ou à direita, sem ligar as setas, indicando desatenção ou descuido. Além de emitir sinais sonoro e visual no display do painel, o dispositivo faz vibrar o assento do motorista.

Sinal de Alerta no Para-brisa,  é um recurso exclusivo da Volvo no mercado brasileiro de ônibus. Como o próprio nome diz, uma barra vermelha de luzes de Led é projetada no para-brisa para o condutor visualizar mais facilmente um eventual risco de impacto com outro veículo.

Piloto Automático Adaptativo, um sistema que mantém um distanciamento previamente definido pelo condutor em relação ao veículo à frente, mantendo sempre uma distância segura.

 “Assento Vibratório, dispositivo de segurança que também alerta o motorista em caso de mudança de faixa sem acionar o indicador de direção.

 “Controle Automático de Velocidade, uma tecnologia exclusiva da Volvo. Por meio de GPS é possível identificar com precisão onde o veículo está circulando e reduzir, de forma automática, a velocidade em áreas críticas como curvas perigosas, dentro de terminais rodoviários, entre outras situações, independente da ação do motorista.

onibus-Transacacia

 

Gilcarlo Prosdocimo

Gilcarlo Prosdócimo – Gerente de Engenharia de Vendas da Volvo Buses Latin America

 

 

Toninho Transacacia 2

Antônio Maria Reinaldo – Proprietário da Transacácia