BLOG

24.09.2019 | Notícias

Alerta que salva vidas

Safety talks 2 (1)

Há 40 anos a Volvo se estabelecia no Brasil, inovando o mercado com produtos de alta tecnologia e reconhecidos como os mais seguros do mundo. Encontrou no Brasil mais do que um mercado promissor. Encontrou um  país com uma realidade bastante distante da Suécia, sede do grupo Volvo, país que tem uma forte cultura de segurança. 

Já na década de 80, o Brasil contabilizava  50 mil vítimas de acidentes de trânsito ao ano. Ao completar 10 anos de Brasil,  a Volvo, reconhecida como a marca líder mundial em segurança e inconformada com o drama das ruas e estradas brasileiras, lançou a mais longa campanha em prol da vida: o Programa Volvo de Segurança no Trânsito. Desde então, o PVST tem realizado incontáveis iniciativas para ajudar o país a ter um trânsito mais justo e humano.

São contribuições do Programa,  o estabelecimento do Ano Brasileiro de Segurança no Trânsito, em 1989, a defesa da obrigatoriedade do uso do cinto de segurança em 1998 e o apoio para a renovação do Código Nacional de Trânsito, em 1997. Além de  inúmeras ações para ajudar a sociedade acordar para a necessidade de unir forças para reduzir o número de acidentes nas ruas e estradas e salvar vidas.

O Prêmio Volvo de Segurança já reconheceu mais de 500 iniciativas e projetos que comprovaram eficiência em educação de trânsito e redução de acidentes, servindo de inspiração para ações similares. Seminários, painéis, debates com diversos influenciadores na causa continuam como propósito do PVST para  ajudar a salvar o país de um drama que continua matando 36 mil pessoas ao ano. (*Fonte Datasus)

 De acordo com o Atlas da Acidentalidade no País, produzido pela Volvo com base no banco de dados da Polícia Rodoviária Federal,  o comportamento inseguro é o principal motivo de acidentes nas rodovias. E a falta de atenção lidera disparado a causa de mortes e ferimentos em acidentes de trânsito, responsável por cerca de 40% dos acidentes.  As outras causas mais letais são excesso de velocidade e desobediência à sinalização. “Trata-se de um quadro inaceitável”, argumenta Alexandre Parker, diretor de Responsabilidade Corporativa e Institucional da Volvo.  “Queremos ajudar o país a reduzir essa trágica realidade”, complementa.

 Com esse objetivo a Volvo aproveita seus 40 anos no Brasil para dar  mais um presente à sociedade: o aplicativo “Eu Rodo seguro”. Uma ferramenta que possibilita qualquer motorista que circule pelas rodovias federais a planejar a sua viagem e conhecer antecipadamente os trechos de maior risco de acidentes.  Um alerta que vai poupar muitas vidas.

 

 

 

Eu Rodo Seguro alerta os trechos mais perigosos nas rodovias federais

3f219831-8a95-41fe-945e-694b62dcb8e2

 

O  aplicativo Eu Rodo Seguro emite alertas sonoros quando o motorista estiver se aproximando dos trechos com alta periculosidade nas rodovias federais brasileiras. O lançamento foi durante o  Safety Talk – evento que reuniu cerca de 100 convidados na fábrica da Volvo – dentro do programa de comemoração dos 40 anos da Volvo no Brasil. 

 “O aplicativo é mais uma contribuição do Programa Volvo de Segurança no Trânsito (PVST) à sociedade”, destaca Carlos Ogliari, vice-presidente de RH e Assuntos Corporativos da Volvo na América Latina. “É uma forma de reforçar nosso compromisso social de gerar prosperidade, indo além de produtos e serviços, alinhado à Visão de Segurança do Grupo Volvo, de buscar um futuro com Zero Acidentes envolvendo veículos da marca”.

Trata-se de uma  evolução do Atlas da Acidentalidade, idealizado pelo PVST em parceria com a Polícia Rodoviária Federal e a empresa Tecnométrica. O aplicativo é gratuito e está disponível para os sistemas Android e IOS, nas lojas Play Store e App Store. Trabalha em conjunto e paralelamente com o navegador GPS utilizado pelo motorista e funciona offline.

A primeira edição do Atlas da Acidentalidade  no Brasil foi disponibilizada em 2014 em versão impressa. A edição de 2018  já contemplava um Portal com possibilidade de simulação de uma rota da viagem  para visualizar os trechos de alto perigo de acidentes. A inovação em 2019 foi lançar o aplicativo para facilitar o uso e o planejamento da viagem, permitindo a gestão de risco na palma da mão do usuário. “A PRF conta com um completo e valioso banco de dados dos acidentes nas rodovias federais brasileiras. Nossa maior contribuição foi transformar números em informação e colocar à disposição da sociedade. O Atlas aponta os locais com maior número de mortos e feridos (leves ou graves), as principais causas de acidentes, as mais letais, e os dias e horários da semana com maior índice de acidentes”, explica Anaelse de Oliveira, coordenadora do PVST.

De acordo com dados da edição 2019 do Atlas da Acidentalidade no Transporte, em 2018, foram registados 69.229 acidentes que deixaram 76.555 feridos e 5.271 mortos nas rodovias federais brasileiras.  O número corresponde a um média de 14,4 por dia.

O App Eu Rodo Seguro emite alertas sonoros 500 metros antes do motorista entrar em trechos com maior risco de acidentes nas rodovias federais brasileiras. É uma ferramenta que ajuda o motorista a adotar a direção preventiva para chegar ao destino em segurança, uma vez que o sinal de alerta é um aviso para que redobre a atenção nos trechos de maior periculosidade.  Agindo dessa forma, todos contribuem para evitar acidentes e salvar vidas”, complementa Anaelse .

A recomendação aos motoristas usuários do “Eu Rodo Seguro” é acessar o aplicativo antes de sair de viagem, indicando a origem e destino e clicar na lupa para traçar a rota. A partir daí, durante todo o trajeto, o aplicativo irá emitir alertas sonoros para indicar os trechos de perigo.

 

“Este é um excelente exemplo de parceria público privada em benefício da sociedade. Qualquer atitude que venha para melhorar a segurança no trânsito é bem-vinda, e certamente o aplicativo será um instrumento que vai ajudar, especialmente as empresas de transporte, a orientar os motoristas a fazerem viagens mais seguras”, afirma Eder Rommel, da coordenação de comunicação da Polícia Rodoviária Federal.

Para mais informações sobre o App Eu Rodo Seguro acesse: https://www.atlasacidentesnotransporte.com.br/

Veja como foi o evento Safety Talk: https://youtu.be/kETI5A-San4

Baixe já e viaje com mais segurança!

APP STORE: https://apps.apple.com/br/app/eu-rodo-seguro/id1477615825?l=en

GOOGLE PLAY: https://play.google.com/store/apps/details?id=com.companyname.zeroAcidentesApp

 

Trechos com maior número de acidentes estão próximos às cidades

Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo, são os estados, segundo as estatísticas da PRF, que concentram o maior número de trechos das rodovias federais com o maior número de mortos e feridos do país. Em comum, os trechos com maior índice de periculosidade são próximos a cidades e com fluxo de pedestres.

O pior trecho em número de acidentes e mortos do Brasil fica no município de São José, na Região Metropolitana de Florianópolis. A região está no topo da lista de acidentes graves desde que o Altas da Acidentalidade no Transporte começou a ser editado, há cinco anos. Só em 2018, foram registrados no município 721 acidentes que deixaram 15 mortos e 754 feridos entre os km 204 e 213 da BR 101, e mais 283 acidentes com 4 mortos entre os km 0 ao 9 da BR 282 que também passa pela cidade.  Outro trecho de alto risco fica em Guarulhos, entre os km 212 e 221 da BR 116. No ano passado, foram registrados no local 376 acidentes que resultaram em 20 mortos e 400 feridos.

Os trechos mais perigosos apontados pelo aplicativo Eu Rodo Seguro são atualizados a cada semestre , a partir dos dados do Atlas da Acidentalidade no Transporte. O levantamento é feito pela Tecnométrica, empresa de engenharia da informação, com base nas estatísticas de acidentes da Polícia Rodoviária Federal. Foram incluídos no aplicativo os locais de periculosidade alta e moderada em todos os estados brasileiros, considerando o total de acidentes, mortos e feridos.

Santa Catarina e Minas Gerais são os estados com os trechos mais perigosos em acidentes envolvendo caminhões.  O município de São José, na Região Metropolitana de Florianópolis também está no topo da lista de acidentes com caminhões. Entre os KM 204 e 213, da BR 101, foram registrados no local 84 acidentes que resultaram em 5 mortos e 72 feridos.  Em Minas, o trecho mais perigoso fica entre os km 469 e 478 da BR 251, próximo a Francisco Sá, onde ocorreram 25 acidentes que deixaram 11 mortos e 87 feridos.

Usuários testam e aprovam App Eu Rodo Seguro

Sem Título-1 (2)

Fé e esperança de redução de mortes nas estradas


“Como cidadão, só tenho elogios para a Volvo e para a PRF. São
ações como esta que ajudam a gente a ter fé e esperança de ver
um mundo melhor, com menos acidentes e mortes nas estradas.
Todas as iniciativas para salvar vidas merecem o nosso respeito e
precisam ser apoiadas e compartilhadas. Como empresário do
transporte, reconheço o valor do aplicativo para ajudar os
motoristas a planejar as suas viagens com mais segurança. Com o
uso do aplicativo, eles serão alertados para dirigir ainda com mais
atenção e cautela e até, se possível, desviar de trechos tão
perigosos”. O sonho agora é que este mapeamento possa cobrir
também as rodovias estaduais. Acho que é o que vai acontecer
porque um bom exemplo, gera outros bons exemplos”.
Roberto Trindade, Diretor Financeiro (Grupo SVD)

 

Gostei, testei e aprovei


Muito bom, principalmente para nós motoristas de caminhão pois
traz informações muito úteis que os outros aplicativos não trazem.
Por mais experiência que a gente tenha, sempre é bom ser alertado
sobre os perigos das estradas. Ajuda a nossa segurança e a dos
outros também. Já estou usando e divulgando”.
Edenilson Lautentino Trabuco da Silva, o “Nô” como é conhecido
pelos colegas. (Transportes Jaloto)

Volvo 40 anos movendo vidas para transformar o futuro

Sem Título-10

O vice-presidente de RH e Assuntos Corporativos da Volvo na América Latina,  Carlos Ogliari, representa o ideal da “Visão Zero Acidentes” do Grupo Volvo e é  um incansável defensor da educação para atitudes e comportamentos seguros. Dentro das ações de comemoração dos 40 anos de instalação da Volvo  no Brasil, Carlos fala sobre o lançamento do aplicativo Eu Rodo Seguro, como mais um exemplo de como a marca compartilha valor com a sociedade e nesta ocasião, como contribui com a gestão de riscos dos motoristas que utilizam as rodovias federais, com o propósito de salvar vidas.

PVST:  A Volvo lança o App Eu Rodo Seguro, que  ajuda os motoristas no gerenciamento de risco das viagens. Qual o objetivo?

Carlos: É o nosso presente de aniversário de 40 anos no Brasil. Mais uma contribuição da Volvo à sociedade. É uma forma de reforçar nosso compromisso social de gerar prosperidade, indo além de produtos e serviços, alinhado à Visão de Segurança do Grupo Volvo, de buscar um futuro com Zero Acidentes envolvendo veículos da marca. Infelizmente o país ainda apresenta altos números de mortos e feridos, são aproximadamente 36 mil vidas perdidas por ano nas ruas e estradas do nosso Brasil. Isso é inaceitável!

PVST: O aniversário é da Volvo e o presente é para o país?

Carlos: Exatamente. Quando completamos 10 anos no Brasil, lançamos o PVST – Programa Volvo de Segurança no Trânsito. Na época, nosso objetivo era acordar o país para a gravidade do trânsito brasileiro. Já se falava em 50 mil mortes ao ano.  Em 2018, de acordo com dados da edição de 2019 do Atlas da Acidentalidade no Transporte, somente nas rodovias federais, foram registrados 69.229 acidentes que deixaram 76.555 feridos e 5.271 mortos.  O número corresponde a uma média de 14 mortes por dia. 

Desde então, nosso objetivo tem sido mobilizar a sociedade para ações que reduzam este quadro inaceitável e que possam contribuir com um trânsito mais justo e humano. O Atlas da Acidentalidade no Transporte, agora em forma de ferramenta de gestão de risco na palma da mão, é mais uma iniciativa para salvar vidas.

PVST: Transformar dados em informações sobre gestão de riscos. Qual a importância?

Carlos: O Atlas é o mais completo diagnóstico dos acidentes nas rodovias federais brasileiras.  Aponta os locais com maior número de mortos e feridos, as principais causas, as mais letais, e os dias e horários da semana com maior índice de acidentes. A Polícia Rodoviária Federal conta com esse valioso banco de dados, nosso trabalho e contribuição – em parceria com a Tecnometrica – foi transformar esses dados em informações úteis para os motoristas. Trata-se de um excelente exemplo de compartilhar valor em  parceria público privada em benefício da sociedade. 

PVST: Qual a expectativa ao lançar essa ferramenta?

Carlos: O aplicativo pode ser utilizado por todos os motoristas que utilizarem as rodovias federais. Acreditamos que ao serem alertados sobre os trechos mais perigosos nessas BRs,  eles estarão mais conscientes sobre os trechos de maior riscos e índices de acidentes e assim, serão mais cautelosos e preventivos na direção. Uma grande contribuição também para os empresários e gestores de frotas do setor de transporte e motoristas profissionais para uma gestão mais segura das viagens.

PVST: Qual a próxima iniciativa do PVST?

Carlos: Estamos constantemente investindo em ações para ajudar o trânsito brasileiro. Acreditamos na força do diálogo e cooperação com os envolvidos na complexidade do problema do trânsito e também na educação para gerar conscientização e transformações positivas concretas. O comportamento inseguro, infelizmente, é a principal causa de acidentes de trânsito. E a falta de atenção é responsável por cerca de 40% dos acidentes.  Vamos continuar na vanguarda de tecnologias de segurança em nossos produtos e com nosso esforço junto à sociedade em busca do ideal de Zero Acidentes.

Cinto de segurança ainda é um desafio no Brasil

Sem Título-1 (3)

Mais do que qualquer outra invenção, o cinto é sinônimo de segurança no trânsito. Desde a sua criação, há 60 anos, já salvou mais de um milhão de vidas

 No Brasil, a obrigatoriedade do uso do cinto de segurança completa 21 anos,  mas a conscientização ainda é um desafio para o país. Uma pesquisa realizada pela ARTESP – Agência de Transporte do Estado de São Paulo,  sobre o uso do cinto de segurança, mostrou que de 2012- 2014 quase 70% dos passageiros de bancos traseiros que morreram nas rodovias brasileiras estavam sem cinto. A falta de cinto tirou a vida também de 40% dos passageiros dos bancos da frente e cerca de 50% dos motoristas que não usavam cinto de segurança.  Ainda segundo a Polícia Rodoviária Federal, em 2017 a falta do uso do cinto de segurança gerou mais de 200 mil infrações. Considerado uma proteção vital em caso de acidente, o cinto de segurança é de uso obrigatório tanto nos bancos da frente quanto nos traseiros. E a responsabilidade legal da utilização é do condutor que deve conscientizar, orientar e observar o uso por parte de todos os ocupantes do veículo.

Curta história

No início dos anos 50, o engenheiro da Volvo, Nils Bohlin,  recebeu a missão de desenvolver um dispositivo para manter os motoristas em seus assentos evitando  arremessá-los fora do veículo, no caso de uma colisão. Assim nasceu o cinto de segurança de três pontas que, ainda hoje, é o principal item de segurança no trânsito no mundo. Em 1958 a Volvo patenteou a revolucionária invenção e no ano seguinte, o equipamento tornou-se padrão nos automóveis Volvo Amazon,  primeiro carro do mundo a ter o cinto de segurança como equipamento padrão. Em 1979 os cintos de segurança se tornaram itens de série dos caminhões Volvo.

Pela importância e efetividade em proteger e salvar vidas, a Volvo permitiu que outros fabricantes de veículos também usasse a tecnologia para salvar mais vidas e hoje é reconhecido como a inovação que mais vidas salvou no trânsito. Estudos provam que o uso do cinto reduz o risco de morte dos ocupantes dos bancos dianteiros entre 40% e 50% e de ferimentos graves entre 50% e 70%. No entanto 105 países ainda não tem uma legislação que exija a sua obrigatoriedade.

As tendências indicam que o cinto de segurança ficará mais inteligente e conectado. Especialistas estão testando cintos que inflamam em caso de colisão, cintos que se adaptam ao corpo e cintos inteligentes que emitem um alerta se o motorista cochilar.

Enquanto isso o cinto segue soberano em sua função de salvar vidas.

Afivele-o sempre!

 

https://www.facebook.com/watch/?v=338758933477306